Utilizamos testemunhos de conexão (cookies) para lhe garantir a melhor experiência de navegação no nosso sítio Internet. Saiba mais sobre como utilizamos os testemunhos de conexão (cookies) e como pode mudar a sua configuração.

Presidente do Conselho Europeu

Desde 1 de dezembro de 2014, Donald Tusk preside ao Conselho Europeu, a instituição que define as orientações e prioridades políticas da UE. Donald Tusk é responsável por preparar e presidir as reuniões desta instituição. Assegura também, ao nível das funções que exerce, a representação da União no exterior em matéria de política externa e de segurança comum.

30-31 de março de 2015: O Presidente Donald Tusk visitou Malta, a Espanha e a Tunísia para debater as questões da estabilidade regional, da migração ilegal e das ameaças terroristas

O Presidente Donald Tusk visitou Malta, a Espanha e a Tunísia para debater a forma como a UE pode ajudar a:

  • estabilizar a região
  • fazer face a ameaças terroristas
  • prevenir e combater a migração ilegal

A instabilidade no sul do Mediterrâneo constitui uma ameaça grave para toda a Europa. Em junho de 2014, o Conselho Europeu fixou como uma das suas prioridades estratégicas garantir uma cooperação eficaz da UE nas questões de segurança, como o terrorismo e a gestão dos fluxos migratórios.

"A UE não pode permitir que um Estado em desagregação (Líbia), dirigido por senhores da guerra e por fanáticos, caia na anarquia a apenas 100 milhas da costa meridional da Europa."

Declarações do Presidente Tusk antes da reunião com o Presidente dos EUA, Barack Obama – Washington, 9 de março de 2015 

Em fevereiro deste ano, na sequência dos atentados terroristas em Paris e Copenhaga, os dirigentes da UE chegaram a acordo relativamente a um ambicioso plano de trabalho sobre a forma de reforçar a luta contra o terrorismo e a violência extremista.

Em março deste ano, os dirigentes da UE debateram a crise na Líbia e a sua dimensão regional e internacional. Durante a sua visita ao Presidente Obama, o Presidente Tusk também afirmou que a UE irá reforçar o seu apoio à Líbia.