Utilizamos testemunhos de conexão (cookies) para lhe garantir a melhor experiência de navegação no nosso sítio Internet. Saiba mais sobre como utilizamos os testemunhos de conexão (cookies) e como pode mudar a sua configuração.

O Presidente Tusk visitará Malta, a Espanha e a Tunísia para debater a estabilidade regional, a migração ilegal e a ameaça terrorista

Em 30-31 de março de 2015, o Presidente Tusk visitará Malta, a Espanha e a Tunísia para debater a forma como a UE pode ajudar a:

  • estabilizar a região
  • fazer face a ameaças terroristas
  • prevenir e combater a migração ilegal

A Alta Representante da UE, Federica Mogherini, juntar-se-lhe-á na sua visita à Tunísia.

A instabilidade no Sul do Mediterrâneo representa uma séria ameaça para toda a Europa. Em junho de 2014, o Conselho Europeu elegeu como uma das suas prioridades estratégicas garantir uma eficaz cooperação da UE em questões de segurança, tais como o terrorismo e a gestão dos fluxos migratórios. Em fevereiro deste ano, na sequência dos atentados terroristas em Paris e Copenhaga, os dirigentes da UE acordaram num ambicioso plano de trabalho sobre a forma de reforçar a luta contra o terrorismo e a violência extremista.

No seguimento das conclusões do Conselho Europeu de março, o Presidente Tusk, debaterá também a crise na Líbia e a sua dimensão regional e internacional.

Visite a página Web de Donald Tusk para conhecer o seu calendário pormenorizado na região e verificar as suas mais recentes observações:

O Presidente Tusk visitará Malta, a Espanha e a Tunísia para debater a estabilidade regional, a migração ilegal e a ameaça terrorista

Em 30-31 de março de 2015, o Presidente Tusk visitará Malta, a Espanha e a Tunísia para debater a forma como a UE pode ajudar a:

  • estabilizar a região
  • fazer face a ameaças terroristas
  • prevenir e combater a migração ilegal

A Alta Representante da UE, Federica Mogherini, juntar-se-lhe-á na sua visita à Tunísia.

A instabilidade no Sul do Mediterrâneo representa uma séria ameaça para toda a Europa. Em junho de 2014, o Conselho Europeu elegeu como uma das suas prioridades estratégicas garantir uma eficaz cooperação da UE em questões de segurança, tais como o terrorismo e a gestão dos fluxos migratórios. Em fevereiro deste ano, na sequência dos atentados terroristas em Paris e Copenhaga, os dirigentes da UE acordaram num ambicioso plano de trabalho sobre a forma de reforçar a luta contra o terrorismo e a violência extremista.

No seguimento das conclusões do Conselho Europeu de março, o Presidente Tusk, debaterá também a crise na Líbia e a sua dimensão regional e internacional.

Visite a página Web de Donald Tusk para conhecer o seu calendário pormenorizado na região e verificar as suas mais recentes observações:

O Conselho Europeu

O Conselho Europeu define as orientações e prioridades políticas gerais da UE. O Conselho Europeu é composto pelos Chefes de Estado ou de Governo dos Estados-Membros da UE, bem como pelo seu Presidente e pelo Presidente da Comissão Europeia.

O Conselho da UE

O Conselho da UE é a instituição que representa os governos dos Estados-Membros. Conhecido informalmente como o Conselho da UE, é aqui que os ministros de cada um dos países da UE se reúnem para adotar legislação e coordenar políticas.

O Conselho é um decisor essencial da União Europeia. Negoceia e adota a nova legislação da UE, adaptando-a quando necessário, e coordena as políticas. Na maior parte dos casos, o Conselho decide em conjunto com o Parlamento Europeu através do processo legislativo ordinário, também conhecido por "codecisão". 

Em alguns domínios muito específicos, o Conselho toma decisões através de processos legislativos especiais - o processo de aprovação e o processo de consulta - em que o papel do Parlamento é limitado. 

Temas

O Conselho Europeu e o Conselho da UE desenvolvem atividades numa vasta gama de domínios, que incluem:

Em destaque

Quadro para uma União Europeia da Energia

A União da Energia constitui uma das cinco prioridades da Agenda Estratégica do Conselho Europeu, adotada em 26-27 de junho de 2014. Os dirigentes da UE sublinharam, em particular, a importância da União da Energia para evitar que a UE esteja dependente das importações de energia. O Conselho Europeu pediu à Comissão que apresentasse uma proposta abrangente sobre a União da Energia no primeiro trimestre de 2015.

O pacote da União da Energia foi publicado em 25 de fevereiro de 2015. Visa assegurar uma energia segura, sustentável e a preços acessíveis para a Europa e os seus cidadãos. As suas medidas específicas abrangem cinco vertentes principais, incluindo a segurança energética, a eficiência energética e a descarbonização. O referido pacote assenta no quadro de ação relativo ao clima e à energia para 2030 e na estratégia de segurança energética de 2014, integrando vários domínios de ação numa única estratégia coerente

Os dirigentes da UE analisaram, de forma aprofundada, as propostas relativas à União da Energia no Conselho Europeu de 19-20 de março de 2015.

Fundo Europeu para Investimentos Estratégicos: Conselho define posição de negociação

Em 10 de março de 2015, o Conselho chegou a acordo quanto à sua posição de negociação sobre o projeto de regulamento que define as regras para a criação do Fundo Europeu para Investimentos Estratégicos (FEIE). O acordo permite ao Conselho dar início às negociações com o Parlamento Europeu sobre a versão definitiva do regulamento. Espera-se que as duas instituições cheguem a acordo até junho, para que o fundo possa começar a operar em meados de 2015.  

O fundo será criado no âmbito do Banco Europeu de Investimento (BEI). Apoiará projetos em domínios como a infraestrutura de transportes, de energia e de tecnologia digital, a educação, a saúde, a investigação e o desenvolvimento, bem como o financiamento de risco às pequenas e médias empresas.  

O fundo é um elemento essencial do "plano de investimento para a Europa", concebido para aumentar os investimentos, corrigir as lacunas do mercado e dinamizar o crescimento económico a longo prazo.

Em destaque

Quadro para uma União Europeia da Energia

A União da Energia constitui uma das cinco prioridades da Agenda Estratégica do Conselho Europeu, adotada em 26-27 de junho de 2014. Os dirigentes da UE sublinharam, em particular, a importância da União da Energia para evitar que a UE esteja dependente das importações de energia. O Conselho Europeu pediu à Comissão que apresentasse uma proposta abrangente sobre a União da Energia no primeiro trimestre de 2015.

O pacote da União da Energia foi publicado em 25 de fevereiro de 2015. Visa assegurar uma energia segura, sustentável e a preços acessíveis para a Europa e os seus cidadãos. As suas medidas específicas abrangem cinco vertentes principais, incluindo a segurança energética, a eficiência energética e a descarbonização. O referido pacote assenta no quadro de ação relativo ao clima e à energia para 2030 e na estratégia de segurança energética de 2014, integrando vários domínios de ação numa única estratégia coerente

Os dirigentes da UE analisaram, de forma aprofundada, as propostas relativas à União da Energia no Conselho Europeu de 19-20 de março de 2015.

Fundo Europeu para Investimentos Estratégicos: Conselho define posição de negociação

Em 10 de março de 2015, o Conselho chegou a acordo quanto à sua posição de negociação sobre o projeto de regulamento que define as regras para a criação do Fundo Europeu para Investimentos Estratégicos (FEIE). O acordo permite ao Conselho dar início às negociações com o Parlamento Europeu sobre a versão definitiva do regulamento. Espera-se que as duas instituições cheguem a acordo até junho, para que o fundo possa começar a operar em meados de 2015.  

O fundo será criado no âmbito do Banco Europeu de Investimento (BEI). Apoiará projetos em domínios como a infraestrutura de transportes, de energia e de tecnologia digital, a educação, a saúde, a investigação e o desenvolvimento, bem como o financiamento de risco às pequenas e médias empresas.  

O fundo é um elemento essencial do "plano de investimento para a Europa", concebido para aumentar os investimentos, corrigir as lacunas do mercado e dinamizar o crescimento económico a longo prazo.